Satanist

Behemoth – The Satanist

Trio polonês volta à ativa

Imagem

O Behemoth surgiu na Polônia no começo dos anos 1990 e foi uma das principais bandas a ajudar a estabelecer o cenário do metal extremo em seu país de origem. Caminhando paralelamente ao movimento do Black metal iniciado – ou “mais bem difundido”, como queira – na Noruega naquela época, o trio logo chamou a atenção de crítica e fãs fazendo um Death metal bem agressivo com letras geralmente voltadas à temática pagã. Ao final daquela década, com o lançamento de seu quarto álbum, “Satanica”, o Behemoth assumiu com mais proeminência um lugar dentro do cenário do Black metal, dada a mudança na temática de suas letras.

Depois de cinco anos de hiato, muito devido ao fato do guitarrista/vocalista Nergal (Adam Darski) ter lutado uma batalha complicada contra uma leucemia avançada, o Behemoth volta ao mercado com seu décimo álbum de estúdio, “The Satanist” e mostra que a banda (cuja formação se completa com o baixista Tomasz “Orion” Wróblewski e o baterista Zbigniew “Inferno” Promiński) continua relevante no cenário.

“The Satanist” é meio que uma prova de fogo para Nergal. Sem querer entrar no discurso melodramático de que esse álbum seria uma resposta do vocalista a todos aqueles que duvidavam de sua plena recuperação – sem contar aqueles que torciam para que ele encontrasse a Dona Morte, já que o sujeito se declara abertamente satanista convicto (ou seja, é contra todo tipo de religião organizada) e chegou a enfrentar um processo legal na Polônia após ter rasgado uma bíblia em cima do palco – o fato é que os vocais de Nergal estão melhores aqui do que em muito tempo. A energia que ele coloca em seus gritos e grunhidos é quase inédita em toda a carreira da banda. Basta escutar a faixa de abertura do álbum, “Blow your Trumpets Gabriel”, para o ouvinte já ter uma ideia do que lhe aguarda ao longo dos 44 minutos da bolachinha. Interessantemente, por mais furiosa que esteja a voz de Nergal aqui, seus gritos e grunhidos não são totalmente ininteligíveis e em diversos momentos é possível se distinguir muito claramente o que ele está cantando sem a necessidade de ter as letras das músicas à mão, desde que se tenha um ouvido treinado para tal.

Instrumentalmente, o Behemoth continua o mesmo de sempre. Nergal encaixa alguns solos interessantes aqui e ali – especialmente em “O Father O Satan O Sun!”, que fecha o álbum – e há até um saxofone em “In the Absence Ov Light”, o que não deixa de ser inusitado em se tratando de um álbum de metal extremo. “Amen” e “Ora Pro Nobis Lucifer” são outros bons destaques desse “The Satanist”.

Independentemente se pertencente ao cenário do Death ou do Black, fato é que o Behemoth tem lançado álbum consistente atrás de álbum consistente, justificando o papel de destaque atribuído ao grupo tanto por crítica quanto por fãs. “The Satanist” é apenas mais um registro da competência desse trio polonês. 

 

  

Anúncios