Nightwish – Showtime, Storytime

Primeiro registro ao vivo de outra “nova era” para a banda finlandesa.

Imagem

Criada pelo tecladista Tuomas Holopainen na Finlândia na segunda metade da década de 1990, o Nightwish alcançou uma certa notoriedade fora do chamado “mundinho do metal” em 2004, quando o single “Nemo”, faixa de seu quinto álbum, “Once”, chegou a ser tocada em rádios, impulsionada pelo sucesso que o Evanescence (alguém ainda se lembra deles?) fazia então. Desde então, a banda passou por pelo menos duas mudanças significativas, perdendo primeiro a vocalista Tarja Turunen em uma separação bastante ruidosa e, sete anos depois, dando adeus à sua substituta, Anette Olzon, em outro divórcio relativamente tumultuado. A demissão de Anette se deu no meio da turnê de divulgação do último álbum da banda, “Imaginaerum”, quando ela passava pelos EUA e a holandesa Floor Jansen (ex-After Forever, atual ReVamp) fora chamada com a tarefa de substituí-la em caráter provisório. 

A escolha, no entanto, deu bastante certo e, depois de enrolar bastante, Tuomas – que, além de tecladista é o principal compositor, letrista e, em termos práticos, dono do Nightwish – anunciou que Floor ficaria com a banda permanentemente. Assim sendo, da mesma forma que a despedida de Tarja Turunen fora marcada com o lançamento do DVD “End of an Era”, a efetivação da nova vocalista recebe o mesmo tratamento com a chegada ao mercado desse “Showtime, Storytime”.

“Showtime, Storytime” foi gravado no dia 3 de agosto desse ano, durante a apresentação que a banda fez no Wacken Open Air, considerado por muitos – inclusive esse humilde escriba – o mais importante festival de música pesada do mundo. Geralmente, ainda que não seja uma regra, quando grupos são convidados para tocar em um festival do tamanho do Wacken, costumam alterar um pouco seu setlist para que o maior número possível de seus clássicos – ou músicas mais conhecidas, como queira – possa ser executado. No caso específico aqui, o Nighrtwish optou por um setlist mais focado em seus últimos trabalhos, já que o show marcaria o encerramento da turnê de divulgação de “Imaginaerum”.  Assim sendo, muitas músicas quase que obrigatórias acabaram sendo deixadas de fora.

Não que o setlist escolhido por Tuomas e Cia (a saber, o guitarrista Emppu Vuorinen, o baterista Jukka Nevalainen e o baixista/vocalista Marco Hietala) seja ruim. Estão lá músicas conhecidas como “Everdream”, “She is My Sin” e “Wish I Had an Angel”, além de “Nemo”. A longa “Ghost Love Score” e a pesada “Romanticide” também dão as caras, enquanto que outras favoritas dos fãs como “Wishmaster”, “Over the Hills and Far Away” e “Slaying the Dreamer” foram deixadas de lado. Por outro lado, “Bless the Child”, que há anos não figurava nos setlists da banda, voltou à cena. No fim das contas, as coisas meio que se balancearam.

O principal motivo desse lançamento, no entanto, era mostrar aos fãs o porquê da decisão de manter Floor Jansen na banda, mesmo que ela tenha que se dividir entre o Nightwish e o ReVamp. E, ao longo do show percebe-se que a “giganta” (1,84 de altura) foi mesmo uma escolha acertada, já que não só possui uma grande presença de palco – também, com esse tamanho todo! – como tem um timbre vocal mais próximo ao de Tarja Turunen, que vem de uma escola de música clássica, do que de Anette Olzon, que possui um timbre vocal mais “rock and roll”, por assim dizer. Dessa forma, ela se dá melhor do que Anette quando se aventura pelo material gravado por Tarja e que responde por 8 das 15 músicas tocadas aqui. O fato de ela e o baixista Hietala também terem mostrado uma boa sincronia – já que ele também atua como vocalista, muitas vezes realizando duetos com a voz feminina principal – é outro ponto positivo para a escolhida.

No fim das contas, “Showtime, Storytime” é um produto interessante, mas serve mais para os fãs de longa data e para aqueles que deixaram de acompanhar o Nightwish desde a saída de Tarja e querem saber o que anda acontecendo com a banda ou ficaram curiosos com a entrada de Floor no grupo. E, claro, para dar uma ideia de como o material de Tuomas será moldado para encaixar nesse novo timbre vocal. Mas isso só será conhecido lá para 2015, quando o Nightwish deve lançar seu novo álbum de estúdio.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s